É tempo de relaxar!

Através da harmonia com a natureza o Centro de Vida Saudável promove um estilo de vida que trata e previne diversas doenças.

Posts Recentes

facebook instagram youtube

Saúde e Bem Estar

Coronavírus é uma família de vírus, assim denominada por apresentarem uma estrutura em formato de coroa. Eles causam infecções respiratórias. A atual doença causada pelo coronavírus recebeu o nome de Covid-19.   Neste texto você vai saber um pouco mais sobre o que é o Covid-19, como ele afeta nosso organismo, e quais alimentos que podem ajudam a aumentar nossa imunidade.   Então, vamos lá!   Nutrição versus Imunidade Segundo a OMS, ainda não há cura e não há um tratamento medicamentoso definido para o Covid-19. Mas, o corpo pode reagir a infecção, favorecendo uma resolutividade positiva.   Assim, a nutrição se destaca como um fator muito importante na manutenção do estado de saúde do indivíduo. O estado de saúde, por sua vez, é coordenado, entre outros fatores, pelo funcionamento adequado do sistema imune, cujas células de defesa, dependem de um estilo de vida adequado, que contemple a ingestão de alimentos saudáveis como frutas, legumes, verduras, leguminosas, cereais integrais, oleaginosas e fibras em quantidades adequadas.   Alimentos que devem ser evitados A exclusão de alimentos nocivos à saúde como carboidratos refinados, açúcar refinado, cafeína, bebidas alcoólicas e alimentos ultraprocessados como os fast foods, embutidos e ricos em gorduras saturadas e trans também auxilia na manutenção de uma melhor defesa do organismo contra agentes invasores como vírus e bactérias.   Desta maneira, visando fortalecer o sistema imunológico, abaixo estão descritos alguns alimentos que deveriam compor suas refeições diariamente.   Prepara a caneta para anotar!   Fortalecendo nosso sistema imunológico Sim, existem alguns alimentos que ajudam a aumentar nosso e fortalecer nosso sistema imunológico. Vamos a lista?   Inhame: ação desintoxicante e depurativa. Ou seja, auxilia na limpeza do sangue, excretando suas toxinas por meio dos rins, pele e intestino. Fortalece o sistema imunológico por ter excelente fonte de micronutrientes como vitaminas do complexo B (B1, B2, B3, B6, B9). Também possui antioxidantes e vitamina C, cobre, potássio, ferro, magnésio, cálcio e fósforo. Devido sua composição, a ingestão de inhame melhora problemas respiratórios e aumenta a imunidade. Brócolis e couve: vegetais de cor verde escura. São ótima fonte de ácido fólico, assim como levedo de cerveja, lentilhas, quiabo, feijão preto, amendoim, espinafre, folhas de couve, aspargos, semente de girassol, laranja, couve-de-bruxelas, ervilhas, abacate, tofu, mamão e amêndoas. O ácido fólico coadjuva na produção dos glóbulos brancos, agentes de combate a invasores. Todavia, até 90% do ácido fólico contido nos alimentos pode ser destruído pela ação do calor, ou seja, por cozimento prolongado dos alimentos. Frutas cítricas: acerola, mexerica, mamão, kiwi, morango, laranja

Há uma nova epidemia mundial de uma doença transmissível infectocontagiosa denominada Coronavírus. Por que este vírus está contaminando tantas pessoas? Nesse artigo você vai conferir tudo o que se sabe sobre o coronavírus, e o que ainda falta esclarecimento. Mas, primeiro vamos entender:   O que é o Coronavírus? De acordo com o Ministério da Saúde, os coronavírus (CoV) são uma grande família de vírus, conhecidos desde meados dos anos 1960, que causam infecções respiratórias em seres humanos e em animais. Geralmente, infecções por coronavírus causam doenças respiratórias leves a moderada, semelhantes a um resfriado comum.   A maioria das pessoas se infectam com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem. Os coronavírus comuns que infectam humanos são alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.   Em alguns casos, os coronavírus podem causar síndromes respiratórias graves, como a síndrome respiratória aguda grave que ficou conhecida pela sigla SARS da síndrome em inglês “Severe Acute Respiratory Syndrome”. SARS é causada pelo coronavírus associado à SARS (SARS-CoV), sendo os primeiros relatos na China em 2002.   O SARS-CoV se disseminou rapidamente para mais de doze países na América do Norte, América do Sul, Europa e Asia, infectando mais de 8.000 pessoas e causando entorno de 800 mortes, antes da epidemia global de SARS ser controlada em 2003. Desde 2004, nenhum caso de SARS tinhq sido relatado mundialmente.   Em 2012, foi isolado outro novo coronavírus, distinto daquele que causou a SARS no começo da década passada. Esse novo coronavírus era desconhecido como agente de doença humana até sua identificação, inicialmente na Arábia Saudita e, posteriormente, em outros países do Oriente Médio, na Europa e na África. Todos os casos identificados foram da Península Arábica tinham histórico de viagem ou contato recente com viajantes procedentes de países do Oriente Médio – Arábia Saudita, Catar, Emirados Árabes e Jordânia.   Como esse vírus se manifesta? Os coronavírus humanos comuns causam infecções respiratórias brandas a moderadas de curta duração.   Os principais sintomas são: Coriza, tosse, dor de garganta e febre. Esses vírus algumas vezes podem causar infecção das vias respiratórias inferiores, como pneumonia. Esse quadro é mais comum em pessoas com doenças cardiopulmonares e,ou naqueles com doenças crônicas que já possuem um sistema imunológico comprometido, como também nas faixas  etárias extremas da infância e idosos.   Algumas outras informações a serem ressaltadas 1) Período de incubação:  2 a 14 dias, é o período que o vírus entra no organismo do indivíduo, porém antes

Você já sentiu dor nas costas? Segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), 8 em cada 10 pessoas sentirão esta dor pelo menos uma vez na vida. A lombalgia é a segunda dor mais comum em todo o mundo, perdendo apenas para a dor de cabeça.   Essa semana estamos falando sobre orientações para o tratamento da dor lombar. Por ser um problema enfretado por muitas pessoas, separamos 5 maneiras que vão ajudar quanto a prevenção da lombalgia.   Vamos lá!   1) Controle seu peso; A grande maioria das pessoas que estão com sobre peso sofrem de lombalgia. Procure permanecer dentro do seu peso ideal, pois a obesidade tem um fator de risco para a saúde da coluna.   2) Faça exercícios físicos; A prática de exercícios físicos colabora de diversas forma para o nosso bem-estar e saúde física. Uma dessas maneiras está relacionada com nossa coluna. Fazer no mínimo 30 minutos de exercícios, por 3 dias da semana, vai ajudar no alívio das dores lombares.   3) Não carregue muito peso Está comprovado, quem carrega muito peso tem a tendência a ter lombalgia aguda. Portanto, evite carregar excesso de peso. Se precisar levantar algum peso, lembre-se de flexionar os joelhos, e procure manter a coluna ereta.   4) Observe sua postura ao sentar Se você trabalha com o computador (ou passa horas no smartphone), lembre-se que a tela deve ficar na altura dos seus olhos.   Agora, se você passa muitas horas sentado, use uma cadeira com apoio para os braços e que não recline. Seus pés devem estar totalmente encostados no chão.   Para aquelas pessoas que passam muito tempo dirigindo, mantenha uma boa postura e procure colocar um apoio ou almofada atrás da região lombar – especialmente se você passa muito tempo no trânsito.   5) Procure a melhor posição para dormir Na hora de dormir, procure dormir de lado, com um travesseiro entre as pernas, ou de barriga para cima, com um travesseiro embaixo da dos joelhos. Evite dormir de bruços.   Se você gostou dessas dicas, deixa a gente saber, e compartilhe nas suas redes sociais.   Até a próxima!   Fonte: AtivoSaúde

Má postura, inflamação ou mesmo hérnia de disco. As causas variam, mas trazem como consequência a famosa lombalgia, ou dor nas costas, que prejudica as atividades do dia-a-dia e a qualidade de vida.   Neste texto você vai saber: O que é lombalgia Como surge Quais as causas Quais os sintomas Os principais tratamentos Quais são os tratamentos oferecidos pelo CEVISA Vamos lá!   O que é lombalgia? A lombalgia pode ser definida como uma dor na região lombar. A dor pode se estender para a região das nádegas, face posterior das coxas mas não muito além do joelho, sem comprometer um trajeto de nervo específico.   Um por cento dos pacientes com lombalgia aguda tem ciática, que é definida como dor irradiada para o território de uma raiz nervosa lombar, frequentemente acompanhada de sintomas como dificuldade para andar e formigamento. É um problema muito prevalente e pode ser causa de incapacidade.   Mais de 90% da população mundial sofre episódio de dor lombar em algum momento da vida e a lombalgia é a segunda causa mais frequente de procura pelos serviços médicos.   Como surge? As lombalgias podem ser classificadas quanto a duração em agudas e crônicas. As lombalgias agudas não estão relacionadas a nenhum fator definido e geralmente ocorrem após um esforço físico excessivo levando o paciente a sentir uma sensação de “travar a coluna”.   A dor crônica ocorre em qualquer idade e em aproximadamente 75-85% dos pacientes que se afastam do trabalho ela se torna recorrente   Quais as causas? Os principais fatores que podem desencadear a lombalgia são, contrações musculares, ocasionadas por sobrecarga excessiva, ao levantar mais peso do que a pessoa consegue na academia, por exemplo, ao carregar muito peso, empurrando armários, enfim, atividades corriqueiras que causem sobrecarga nas articulações da coluna e das vértebras.   Na maioria das vezes, o problema é postural, ou seja, causado por uma má posição para sentar, deitar, abaixar ou carregar algum objeto pesado. Nas demais vezes, a lombalgia pode ser causada por inflamação, infecção, hérnia de disco, escorregamento de vértebra, artrose (processo degenerativo de uma articulação) e até problemas emocionais.   Quais os sintomas? Os sintomas da lombalgia são dores localizadas abaixo da décima segunda costela até a prega do glúteo, definida como a região lombar. As dores podem, ainda, irradiar para o meio da coxa.   Quais os principais tratamentos? Os principais tratamentos para a lombalgia aguda são por analgésicos, anti-inflamatórios, corticoides e relaxantes musculares. O objetivo central desses tratamentos são: aliviar a dor, melhorar a habilidade funcional e prevenir recorrência e cronicidade. Existem

Natal e virada de ano são datas comemorativas que se tem por tradição muita comida e bebida, ou seja, muito sódio, açúcar. Para não ter que abrir mão de nenhum alimento ou drink o ideal é evitar exageros.   Mas, e se houve exageros, como cuidar do corpo? O excesso pode causar inchaço e desidratar a pele. Por isso, separamos algumas dicas de alguns cuidados que você deve ter com seu corpo após essas comemorações.   Vamos lá!   1) Beba bastante água Se existe uma dica para dar sobre cuidados com o corpo, com certeza é beber muita água. A água é essencial para manter o corpo em um ótimo funcionamento, além de ajudar a reduzir o inchaço e repor os liquidos perdidos depois de alguns drinks.   2) Aposte em chás Conhecido por suas propriedades antioxidantes, a bebida oferece uma série de benefícios para nosso organismo, além de deixar a pele mais hidratada.   3) Invista em uma alimentação saudável Já que houve exageros no Natal e ano novo, nada melhor do que voltar a se alimentar bem, de forma saudável. É hora de evitar laticínios, carne vermelha, cafeína e álcool. Procure acrescentar mais vegetais, legumes e frutas nas refeições, como couve, brócolis, folhas verde-escuras, frutas vermelhas e abacaxi.   4) Durma bem É normal passar um pouco da hora de dormir durante as festas de final de ano, e para se recuperar é necessário regular o sono. Dormir bem ajuda a normalizar o funcionamento do organismo.   De acordo com os especialistas, excessos gastronômicos além de engordar, podem causar desconforto abdominal, dor de cabeça, dor no estômago, inchaço, gases e cansaço.   Por isso, evite exageros, e cuide bem de você!

Sabemos que começar um projeto de vida saudável é uma tarefa difícil, mas não é impossível. Com pequenos ajustes na rotina é possível se livrar de alguns hábitos ruins, e conseguir resultados positivos. O conceito que envolve a palavra “estilo de vida” é muito amplo, inclui vários aspectos de vida, sendo que cada um desses aspectos influenciam a saúde individual da pessoa. Os aspectos estão em todas as áreas: física, mental, espiritual e social. E porque é importante ter um estilo de vida saudável? Porque um estilo de vida saudável ajuda a manter o corpo em forma e a mente alerta. Ajuda também a proteger de doenças, além de ajudar a impedir que as doenças crônicas piorem. Isso é importante porque a medida que envelhecemos surgem alterações nos músculos e nas articulações que trazem um declínio na força física. Hábitos saudáveis devem ser desenvolvidos quando ainda jovens, e mantidos durante toda a vida adulta até a idade madura. Algumas consequências ao negligenciarmos manter esses hábitos saudáveis são: Doenças cardíacas Câncer Derrame cerebral Acidentes Doenças pulmonar crônicas A importância da atividade física A necessidade de praticar uma atividade física de uma forma regular, sem exageros (falamos um pouco sobre a importância dos exercícios aqui, além de citarmos alguns exemplos de exercícios mais tranquilos aqui – para aquelas pessoas que não gostam muito e/ou tem preguiça em realiza-los) é importante para mantermos o organismo em harmonia. Para iniciar uma atividade física com segurança, consulte primeiramente um médico para que ele avalie suas condições físicas e ateste direcionando assim para quais atividades seriam mais recomendadas ao seu perfil. A importância de uma alimentação saudável A obesidade é a maior causa de mortes e de doenças em todo o mundo. Doenças como: hipertensão arterial, doenças cardíacas, derrame cerebral, diabetes, alguns tipos de câncer. Para evitar a obesidade é necessário realizar refeições balanceadas, com bastante cálcio – o cálcio com os exercícios ajudam a prevenir a osteoporose. >> Todas as vezes que você come além do necessário, o seu corpo irá armazenar em forma de gordura << Uma boa dieta é aquela que combina frutas, vegetais, grãos integrais, legumes, gorduras saudáveis – controladas, evitar a ingestão de álcool e se você sentir necessidade, consulte o médico para uma orientação mais específica. Evite ingerir substâncias que prejudiquem sua saúde. Fumar e beber são fatores muito importantes para o surgimento de doenças pulmonares, do coração e circulação, câncer, acidentes automobilísticos e acidentes domésticos. As drogas além de tornar o usuário dependente podem levar também a deterioração

Deu um nó na sua cabeça? Uma coisa que muita gente não sabe, é se o ferro que faz pregos, é o mesmo ferro que aparece na tabela nutricional dos alimentos. Esse mineral escuro que está no seu carro, na estrutura da sua casa, dentro do seu celular,é sim um nutriente e ainda por cima – pode estar faltando no seu prato! Os sintomas de carência de ferro são: cansaço, pele pálida e até falta de controle da temperatura corporal. Vamos com calma! Não significa que você tem que sair por aí mastigando prego! Você pode encontrar ferro em vários alimentos, mas existe uma diferença fundamental. O FERRO HEME e o FERRO NÃO HEME O ferro HEME é de origem animal, que tem uma melhor biodisponibilidade – ou seja ele é mais absorvido pelo nosso organismo. Daí que vem essa conversa de que quem não come carne é mais fraquinho! Mas isso não é verdade! O ferro não HEME, com menor biodisponibilidade, você encontra em vários alimentos que não são de origem animal como: lentilhas,  tofu, quinoa, aveia, arroz integral, pistache, semente de girassol, semente de abóbora, tomates, castanha de caju, entre outros. E seu corpo consegue assimilar de um jeito diferente esse ferro, mas com eficácia. Comparando os índices de anemia entre pessoas que são vegans ou vegetarianas e com carnívoros, ambos tem índices similares de carência de ferro. A verdade é que o importante não é quanto ferro você come, mas quanto você consegue assimilar no seu corpo. Algumas pessoas tomam um comprimido com toda a recomendação de ferro diária. Só que o corpo não entende e acaba conservando apenas uma pequena quantidade de todo aquele ferro. O melhor seria distribuir essa dose durante o dia, tomando um comprimido com cada refeição por exemplo. Alimentos com ferro não heme e vitamina C melhoram a captação de ferro em até 5 vezes! Pense em: molho de tomate, arroz e feijão – um suplemento de ferro que realmente funciona. Uma panela de ferro fundido pode ajudar você na sua suplementação! Experimente cozinhar nela alimentos ricos em vitamina C.   Fonte:https://goo.gl/rbev3Q

Você já deve ter ouvido falar sobre orégano como uma especiaria no molho da pizza, em saladas, massas italianas, mas e na forma de vaporização? Sim, vaporização com chá de orégano é o que vamos comentar hoje, apesar de ser pouco comum, o orégano possui várias propriedades medicinais benéficas à nossa saúde. O orégano (Origanum vulgare) faz parte da família das Labiadas e é conhecido também como manjerona rasteira ou manjerona silvestre, um excelente condimento aromático, muito utilizado na cozinha europeia. Utilizado também para aliviar sintomas de tosse, resfriados, doenças pulmonares, indigestão, dores de ouvido e até em dores articulares. Dizem que o seu consumo ajuda até amenizar sintomas de TPM, além de ser um ótimo repelente de formigas, antibacteriana, e fungicida. A vaporização caseira com o chá de orégano terá um efeito descongestionante e vasodilatador auxiliando principalmente nos casos de sinusite e resfriados, como também nos casos de rinite alérgica, rouquidão e desintoxicação de vias aéreas (fumantes). Aplicação: Ferver um litro de água acrescentando duas colheres (sopa) de orégano; Após ganhar fervura, colocar este chá numa vasilha, sobre uma mesa, e em seguida sente-se próximo e cubra toda a cabeça com um lençol, fazendo esta inalação por 15 minutos. Para terminar a inalação, passar um pano molhado com água fria no rosto e no peito, não saindo de imediato para o vento. Poderá repetir esta inalação diariamente até sentir boa melhora dos sintomas.

A pipoca é um alimento rico em fibras e promove uma sensação de saciedade rapidamente, sendo uma ótima opção de lanche para quem está de dieta. Uma xícara de chá, estourada no ar quente possui apenas 31 kcal. Só que para manter o baixo nível de calorias é preciso preparar a pipoca da maneira certa. O ideal é não usar óleo para estourar os grãos e nem adicionar manteiga no final do preparo. O modo de preparo é muito simples. Esquente uma panela vazia, sem o milho e nem óleo, de 3 a 5 minutos em fogo alto. Coloque o milho na panela e abaixe o fogo para temperatura média. Mexa bem a panela para não correr o risco de queimar. Pode demorar um pouco mais para estourar do que a maneira convencional. Após estourar a pipoca sirva com pouco sal, ou opções mais saudáveis como o sal marinho ou sal rosa do Himalaia, e se quiser você também poder servir com tempero de ervas secas e outras especiarias.   Lembrando que aqui no CEVISA não fritamos nada! Não usamos óleo para refolgar os temperos, para manter a alimentação  ainda mais saudável e terapêutica. Essa pipoca é aprovada pela nossa nutricionista e nossa chef!

A geoterapia é a aplicação de tratamentos naturais através do barro, para a cura e alívio de enfermidades através de emplastros e cataplasmas. Já falamos sobre os benefícios do tratamento geoterápicos, se quiser ler mais sobre o assunto é só clicar aqui. Aqui no Cevisa usamos diversos tipos de argila em tratamentos, e uma delas é a dolomita. Essa rocha de carbonato duplo de cálcio e magnésio, descoberta pelo geólogo francês Deodat Dolmieu, tornou-se mundialmente famosa. Desde 1930 ela é analisada para tratamentos de osteoporose. Sua coloração é branca podendo chegar a uma textura finíssima, o que favorece a absorção de seus nutrientes. A dolomita tem ação anti-inflamatória de fácil absorção facilitando a troca de minerais com a pele. Pode ser utilizada em forma de ingestão diária, bem como ser aplicada em forma de cataplasmas localizados ou até mesmo como banho em todo o corpo. No caso de cataplasmas o ideal é deixar entre 40 a 60 minutos. Quando usada como máscara facial a dolomita atenua as cicatrizes, olheiras, rugas e manchas de qualquer parte do corpo. Reduz o processo inflamatório em casos de acnes e ameniza os cravos. Quando usar a máscara deixe agir por 20 minutos e após o uso basta retirar com uma toalha fria ou esponja úmida. Preparação: – Encha um recipiente com água. – Cubra com argila e deixe alguns minutos até que a argila absorva completamente a água, formando a consistência de uma pasta. – Se tiver muito líquido adicione um pouco mais de dolomita, e se estiver muito dura é só colocar mais água. – Aplique na pele com um pincel ou com as mãos bem limpas.   https://youtu.be/90MnZdG_CCA

Open chat
Em que podemos ajudar?
Powered by