É tempo de relaxar!

Através da harmonia com a natureza o Centro de Vida Saudável promove um estilo de vida que trata e previne diversas doenças.

Posts Recentes

facebook instagram youtube

Saúde e Bem Estar

Deu um nó na sua cabeça? Uma coisa que muita gente não sabe, é se o ferro que faz pregos, é o mesmo ferro que aparece na tabela nutricional dos alimentos. Esse mineral escuro que está no seu carro, na estrutura da sua casa, dentro do seu celular,é sim um nutriente e ainda por cima – pode estar faltando no seu prato! Os sintomas de carência de ferro são: cansaço, pele pálida e até falta de controle da temperatura corporal. Vamos com calma! Não significa que você tem que sair por aí mastigando prego! Você pode encontrar ferro em vários alimentos, mas existe uma diferença fundamental. O FERRO HEME e o FERRO NÃO HEME O ferro HEME é de origem animal, que tem uma melhor biodisponibilidade – ou seja ele é mais absorvido pelo nosso organismo. Daí que vem essa conversa de que quem não come carne é mais fraquinho! Mas isso não é verdade! O ferro não HEME, com menor biodisponibilidade, você encontra em vários alimentos que não são de origem animal como: lentilhas,  tofu, quinoa, aveia, arroz integral, pistache, semente de girassol, semente de abóbora, tomates, castanha de caju, entre outros. E seu corpo consegue assimilar de um jeito diferente esse ferro, mas com eficácia. Comparando os índices de anemia entre pessoas que são vegans ou vegetarianas e com carnívoros, ambos tem índices similares de carência de ferro. A verdade é que o importante não é quanto ferro você come, mas quanto você consegue assimilar no seu corpo. Algumas pessoas tomam um comprimido com toda a recomendação de ferro diária. Só que o corpo não entende e acaba conservando apenas uma pequena quantidade de todo aquele ferro. O melhor seria distribuir essa dose durante o dia, tomando um comprimido com cada refeição por exemplo. Alimentos com ferro não heme e vitamina C melhoram a captação de ferro em até 5 vezes! Pense em: molho de tomate, arroz e feijão – um suplemento de ferro que realmente funciona. Uma panela de ferro fundido pode ajudar você na sua suplementação! Experimente cozinhar nela alimentos ricos em vitamina C.   Fonte:https://goo.gl/rbev3Q

Você já deve ter ouvido falar sobre orégano como uma especiaria no molho da pizza, em saladas, massas italianas, mas e na forma de vaporização? Sim, vaporização com chá de orégano é o que vamos comentar hoje, apesar de ser pouco comum, o orégano possui várias propriedades medicinais benéficas à nossa saúde. O orégano (Origanum vulgare) faz parte da família das Labiadas e é conhecido também como manjerona rasteira ou manjerona silvestre, um excelente condimento aromático, muito utilizado na cozinha europeia. Utilizado também para aliviar sintomas de tosse, resfriados, doenças pulmonares, indigestão, dores de ouvido e até em dores articulares. Dizem que o seu consumo ajuda até amenizar sintomas de TPM, além de ser um ótimo repelente de formigas, antibacteriana, e fungicida. A vaporização caseira com o chá de orégano terá um efeito descongestionante e vasodilatador auxiliando principalmente nos casos de sinusite e resfriados, como também nos casos de rinite alérgica, rouquidão e desintoxicação de vias aéreas (fumantes). Aplicação: Ferver um litro de água acrescentando duas colheres (sopa) de orégano; Após ganhar fervura, colocar este chá numa vasilha, sobre uma mesa, e em seguida sente-se próximo e cubra toda a cabeça com um lençol, fazendo esta inalação por 15 minutos. Para terminar a inalação, passar um pano molhado com água fria no rosto e no peito, não saindo de imediato para o vento. Poderá repetir esta inalação diariamente até sentir boa melhora dos sintomas.

A pipoca é um alimento rico em fibras e promove uma sensação de saciedade rapidamente, sendo uma ótima opção de lanche para quem está de dieta. Uma xícara de chá, estourada no ar quente possui apenas 31 kcal. Só que para manter o baixo nível de calorias é preciso preparar a pipoca da maneira certa. O ideal é não usar óleo para estourar os grãos e nem adicionar manteiga no final do preparo. O modo de preparo é muito simples. Esquente uma panela vazia, sem o milho e nem óleo, de 3 a 5 minutos em fogo alto. Coloque o milho na panela e abaixe o fogo para temperatura média. Mexa bem a panela para não correr o risco de queimar. Pode demorar um pouco mais para estourar do que a maneira convencional. Após estourar a pipoca sirva com pouco sal, ou opções mais saudáveis como o sal marinho ou sal rosa do Himalaia, e se quiser você também poder servir com tempero de ervas secas e outras especiarias.   Lembrando que aqui no CEVISA não fritamos nada! Não usamos óleo para refolgar os temperos, para manter a alimentação  ainda mais saudável e terapêutica. Essa pipoca é aprovada pela nossa nutricionista e nossa chef!

A geoterapia é a aplicação de tratamentos naturais através do barro, para a cura e alívio de enfermidades através de emplastros e cataplasmas. Já falamos sobre os benefícios do tratamento geoterápicos, se quiser ler mais sobre o assunto é só clicar aqui. Aqui no Cevisa usamos diversos tipos de argila em tratamentos, e uma delas é a dolomita. Essa rocha de carbonato duplo de cálcio e magnésio, descoberta pelo geólogo francês Deodat Dolmieu, tornou-se mundialmente famosa. Desde 1930 ela é analisada para tratamentos de osteoporose. Sua coloração é branca podendo chegar a uma textura finíssima, o que favorece a absorção de seus nutrientes. A dolomita tem ação anti-inflamatória de fácil absorção facilitando a troca de minerais com a pele. Pode ser utilizada em forma de ingestão diária, bem como ser aplicada em forma de cataplasmas localizados ou até mesmo como banho em todo o corpo. No caso de cataplasmas o ideal é deixar entre 40 a 60 minutos. Quando usada como máscara facial a dolomita atenua as cicatrizes, olheiras, rugas e manchas de qualquer parte do corpo. Reduz o processo inflamatório em casos de acnes e ameniza os cravos. Quando usar a máscara deixe agir por 20 minutos e após o uso basta retirar com uma toalha fria ou esponja úmida. Preparação: – Encha um recipiente com água. – Cubra com argila e deixe alguns minutos até que a argila absorva completamente a água, formando a consistência de uma pasta. – Se tiver muito líquido adicione um pouco mais de dolomita, e se estiver muito dura é só colocar mais água. – Aplique na pele com um pincel ou com as mãos bem limpas.   https://youtu.be/90MnZdG_CCA

5 Verdades sobre a vitamina B12 As dietas vegetarianas são benéficas na prevenção e no tratamento de diversas doenças crônico-degenerativas não transmissíveis. As dietas ovolacto e lactovegetariana fornecem todos os nutrientes necessários ao organismo humano. Apenas a vegetariana estrita não apresenta fontes nutricionais de vitamina B12, que deve ser obtida por meio de alimentos enriquecidos ou suplementos. A cobalamina, ou vitamina B12, é um elemento essencial para o funcionamento de todo nosso organismo. Como as únicas fontes alimentares seguras dessa vitamina são os alimentos de origem animal, existem muitos mitos sobre ela. Então vamos pontuar cinco verdades contidas no guia alimentar de dietas vegetarianas (SVB, 2012): É uma vitamina produzida por bactérias. Essas bactérias vivem no solo orgânico e no intestino de animais (vacas, carneiros, humanos…). Como as plantas não precisam dessa vitamina para se desenvolverem, então elas não absorvem a B12. Existem versões ativas e análogas dessa vitamina. Muitos dos alimentos não derivados de animais que tem a fama de ter B12, tem, na verdade, alguma forma análoga. Essa forma não só não funciona em humanos como também atrapalha a absorção da B12 ativa. Então não tente consumir algas, cogumelos, leveduras etc para suprir a necessidade de B12. Eles são alimentos interessantes para suprimento de outros nutrientes, mas não irão te ajudar a manter sua B12 normal. A deficiência de Vitamina B12 ocorre em vegetarianos e não vegetarianos. A deficiência dela atinge 50% a 60% dos vegetarianos e 40% dos não vegetarianos. No Brasil, sua deficiência acomete mais de 50% da população onívora. Logo, isso pode significar que o problema não está apenas na restrição dos alimentos de origem animal. É um problema maior, multifatorial: ligado ao uso indiscriminado de medicamentos que inibem a produção de ácido no estômago, uso de adubo químico no solo, alteração da nossa flora intestinal, uso indiscriminado de antibióticos etc. O diagnóstico da deficiência é simples. Verifique a quantidade da vitamina no sangue (através de exame laboratorial). Quando o nível sérico de vitamina B12 está abaixo de 350 pg/mL, já há sintomas específicos de deficiência. Para manter o indivíduo sem deficiência de vitamina B12 é ideal que esse nível fique acima de 490 pg/mL e a homocisteína esteja abaixo de 8 mcmol/L. Segundo Norbert (2011), a homocisteina é um representante da deficiência de nutrientes e quando está elevada contribui para o aumento do risco cardiovascular e demências. Confira essas taxas a cada seis meses, especialmente se for vegetariano ou usar medicações de forma regular.

Você já deve ter ouvido falar que a doença do século é a depressão. A ocorrência disso é que a modernidade trouxe consigo uma pressão maior quanto a ser o melhor em todos os sentidos. Por exemplo, se na época dos seus avós, estudar somente o Ensino Fundamental já era o suficiente, hoje, quem possui Mestrado nem sempre é qualificado para se tornar um professor universitário. O impasse é um: você está lá dando o seu melhor em um determinado aspecto da sua vida, para depois descobrir que o seu melhor nem sempre é o suficiente. Como lidar com essa pressão, sem que prejudique sua saúde emocional? O CEVISA possui 10 dicas, os chamados “Remédios do CEVISA”. São princípios básicos e simples que podem ajudar qualquer um a ter um equilíbrio emocional. São estes: 1) Beba água – O corpo é composto em média de 70% de água. E a água é necessária em todas as nossas funções biológicas; 2) Tenha uma alimentação saudável – Procure utilizar alimentos mais ricos em nutrientes, e evite aqueles que são prejudiciais à saúde. Pois nosso corpo é construído pelo alimento que ingerimos, e devemos escolher aqueles que melhor atendem as necessidades dele; 3) Pratique exercícios físicos – A prática de exercícios físicos diminui o stress, além de ter outros benefícios para o nosso organismo; 4) Mantenha relacionamentos saudáveis – Um conversa, um toque, ou somente a presença do outro pode ajudar a melhorar seu dia; 5) Vida espiritual – Confiar em Deus ajuda a desenvolver algumas características importantes para uma saúde emocional equilibrada; 6) Ar puro – É preciso desfrutar do ar puro, da natureza. Pois a qualidade do ar que respiramos afeta a nossa saúde diretamente; 7) Luz solar – A luz solar é fundamental no combate a doenças do corpo e principalmente no combate a problemas de origem emocional, como a depressão; 8) Descanso – Ter a quantidade necessária de horas para dormir é relevante para as funções cognitivas, emoções e no comportamento do dia a dia;

Você pode encontrar, hoje em dia, uma grande variedade de frutas, verduras e legumes, nas feiras e supermercados durante todo o ano. Essa disponibilidade é o resultado de técnicas modernas de produção agrícola, envolvendo sementes modificadas, adubos, e até agrotóxicos.O que pode parecer positivo, mas não é. O ideal é escolher alimentos orgânicos e preferir por comprar alimentos da época. Que são frutas, legumes e verduras que a natureza produz sem a intervenção tecnológica mais intensa.O engenheiro agrônomo e pesquisador do Centro Nacional de Pesquisa de Mandioca e Fruticultura da Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias (Embrapa), Domingo Haroldo Reinhardt, explicou para o instituto Akatu que qualquer tipo de produção em escala comercial faz uso dessas técnicas, o que possibilita a oferta do produto fora de sua época natural.Para ampliar a janela de oferta ao longo do ano, a produção orgânica usa técnicas de adubagem a partir de resíduos vegetais e animais para enriquecer o solo e potencializar a produção. “Esse processo não tem muita interferência no produto final.A fruta amadurece fora de sua época, mas obedece a seu ciclo natural”, explica Reinhardt. Os fertilizantes químicos, muito usados na agroindústria, aumentam o teor de água dos produtos reduzindo seu valor nutritivo e seu sabor, além de empobrecerem o solo em longo prazo. “A utilização dos adubos químicos, dos defensivos agrícolas e das sementes modificadas formam um círculo vicioso, porque essas plantações necessitam cada vez mais de adubação e proteção de químicos para se desenvolver”, explica o pesquisador da Embrapa.Por respeitarem o ciclo natural de amadurecimento, as “frutas da época” têm sabor mais próximo ao original e acumulam mais nutrientes. “Além disso, devido à maior oferta no período, os preços tendem a baixar, o que gera economia para o consumidor final”, diz o engenheiro agrônomo Cloves Ribeiro Neto, do Instituto Brasileiro de Frutas (Ibraf). As “frutas da estação” comumente são produzidas em locais próximos aos seus pontos de distribuição.Optar por consumi-las contribui para a redução do impacto ambiental uma vez que essa prática “impulsiona a economia local, diminuindo as distâncias entre produtor e consumidor, o que reduz o desperdício de produtos durante o seu transporte”, completa Cloves.E quais são os alimentos da época? Veja só! Janeiro Frutas: abacaxi, carambola, coco verde, figo, framboesa, fruta do conde, laranja-pera, mamão, maracujá, melancia, nectarina e uva; Verduras: alface, cebolinha, couve e salsa; Legumes: abóbora, abobrinha, beterraba, pepino, pimentão, quiabo e tomate. Fevereiro Frutas: abacate, ameixa, carambola, coco verde, figo, fruta do conde, goiaba, jaca,

A fisioterapeuta Jacqueline(atuação na área de terapias naturais), dá algumas dicas, para utilizar recursos naturais para que você faça em casa: 1 -Fomentação Consiste em alternar o quente e frio na região do peito. Você pode utilizar óleo essencial de eucalipto (algumas gotas) na região do peito, já que o mesmo é descongestionante e ajuda a expectorar. Pode ser realizado com toalha quente e fria ou bolsa de água quente e bolsa de gelo. Observar as temperaturas de acordo com a sensibilidade de cada pessoa. Aplique a toalha quente por 3 minutos com 1 minutos de toalha gelada, totalizando 20 minutos, sempre finalizando com o frio. Esse tratamento proporciona exercício vascular (vasoconstricção e vasodilatação), permitindo aumento do metabolismo local, consequente maior circulação de células de defesa e ajudando no combate à inflamações e infecções. Auxilia no alívio da tosse secretiva e eliminação da secreção. 2- Drenagem postural A posição deitada com a cabeça um pouco mais baixa do que o restante do corpo, após a fomentação ou vaporização/ nebulização com soro fisiológico, facilita a expectoração pela movimentação da secreção em direção às vias aéreas superiores, utilizando a ação da gravidade. Você pode permanecer de 10 a 20 minutos na postura e repetir de 3 a 4x por dia, dependendo da quantidade de secreção e do desconforto apresentado. 3- Lavar o nariz com soro fisiológico Lavar o nariz com soro fisiológico também alivia bastante a congestão nasal e mantém as vias aéreas limpas e desobstruídas. 4 – Beber bastante líquido Ingerir água em abundância principalmente e consumir sucos de frutas naturais cítricas (limão, laranja), acerola, goiaba (sem adoçantes e açúcar) melhoram a sua imunidade enquanto hidratam seu corpo. 5 – Vaporização A vaporização pode ser utilizada tanto em adultos como em crianças com chás anti-inflamatórios ou descongestionantes (camomila, orégano). Pode ser feita durante 20 minutos com o rosto sob a panela com o chá quente, respirando o vapor que vem do chá e a cabeça coberta com uma toalha, fazendo uma “tenda”. Se utilizado pra crianças, é importante observar a distancia entre a panela e o rosto, para evitar queimaduras e pode ser feito em até 15 minutos dependendo da idade da criança. Finalizar passando uma toalha fria no rosto todo. Dicas da: Jacqueline Guimarães Fisioterapeuta e Terapêuta Natural

1- Gengibre (chá de gengibre, casca de laranja com abacaxi) 1/3 da casca de um abacaxi grande 1 rodela de gengibre de aproximadamente 4 cm 3 xícaras (chá) de água 2- Canela (chá de cravo e canela) 1 punhado de cravos da índia; 3 pedaços de canela em pau; 1 litro de água. 3-Hibisco (gengibre, hibisco e limão) 6 xícaras de água; 1 xícara de flores de hibiscos secas; 1 e ½ colher de sopa de gengibre descascado e cortado; 3 colheres de sopa de suco de limão fresco. 4- Casca de Abacaxi (chá de gengibre com abacaxi) Esse aqui é o sabor mais suave. Casca de um abacaxi 1 litro de água 6 folhas de hortelã 1 canela em pau 5- Maçã (chá de casca de maçã e canela) Cascas de 2 Maçãs nacionais (bem lavadas) 6 xícaras de chá de água 2 pedaços de Canela em pau 6- Casca de laranja (chá de casca de laranja com gengibre) 1 a 2 centímetros de gengibre fresco, ou 4 colheres do rizoma macerado. casca de 1 laranja 1 litro de água. Não se esqueça que: Exercício Físico Além de trocar gordura por massa magra, que melhora o metabolismo, o exercício estimula os orgãos internos, circulação, diminui ansiedade e depressão e melhora a capacidade cognitiva. Vai fazer você ter menos compulsão alimentar, e pensar melhor no que está comendo. Sono Dormir é fundamental para o corpo se recuperar. Não dormir prejudica o metabolismo e faz você comer mais, e pior… além de diminuir sua expectativa de vida. Água A desidratação prejudica o metabolismo, e o corpo pode ainda interpretar sede como sendo fome.

Doença do refluxo gastroesofágico tem total relação  com alimentação, tanto no tipo de alimentos , na quantidade , na combinação dos mesmos, horários de refeição  e também como é feita a mastigação se muito  rápida ou devagar. Na grande maioria dos casos não precisa de nenhuma medicação, somente com a correção de hábitos alimentares o  refluxo melhora muito. Segue algumas orientações: Evite- Lacticínios e derivados, cafeína, alimentos muito condimentados de temperos, pimenta, refrigerantes, sucos industrializados ou com açúcar,  bebidas alcoólicas, frituras, doces em geral incluindo bolos, tortas, sorvetes,  e chocolates. Coma devagar – mastigue bem os alimentos. Não deitar ou reclinar a cabeça após uma refeição , aguardar pelo menos 2 horas. Não ingerir líquidos nas refeições. Não  comer em grandes quantidades em uma mesma refeição, principalmente a  noite comer o mais cedo possível e refeições leves. Suco de batata, chás de funcho, camomila, sávia, hortelã, são bons para problemas digestivos, e podem ser tomado nos intervalos das refeições. A medicação para aliviar o refluxo diminui absorção de vitamina b12, entre outros efeitos colaterais. Não é recomendável fazer o uso contínuo. O ideal é realmente mudar os hábitos alimentares. Dra Luisa Antunes

Open chat
Em que podemos ajudar?