É tempo de relaxar!

Através da harmonia com a natureza o Centro de Vida Saudável promove um estilo de vida que trata e previne diversas doenças.

Posts Recentes

facebook instagram youtube

Saúde e Bem Estar

O cigarro é um dos vícios mais difíceis de deixar. Porém, é possível enxergar uma grande melhora na saúde, nos primeiros minutos que você o larga. Neste artigo vamos conhecer quais são alguns dos benefícios de parar de fumar. Vício  (substantivo masculino) “Dependência física ou psicológica que faz alguém buscar o consumo excessivo de algo, de uma substância, geralmente alcoólica ou entorpecente: vício de fumar.” – Dicionário Online da Língua Portuguesa COMO COMEÇA UM VÍCIO Quando o assunto é “vício” esquecemos de pensar que existem diversos fatores e contextos que podem desencadeá-los. O vício é uma abstinência vivida em ausência de algo, podendo se manifestar por angústia, sono, ansiedade, depressão, e até mesmo por alguma dor física. O vício está ligado ao prazer ou recompensa, por isso, um viciado tende a procurar uma substância ou comportamento, almejando uma sensação de bem-estar, relaxamento e alívio. Sinais que podem indicar que você está se tornando um viciado Uma pessoa, após ter experimentado pela primeira vez, surge dificuldades de controlar seus impulsos, sentindo-se inquieto por não recorrer a substância. Mesmo sendo notada a relação de dependência da substância, a pessoa tem dificuldades para admitir que tem um problema. Toda situação torna-se um motivo para buscar o cigarro, aumentando assim, a frequência do uso, tornando parte da sua rotina Mas, o que acontece com seu corpo quando você para de fumar? É o que vamos saber a seguir. OS BENEFÍCIOS DE PARAR DE FUMAR Em apenas 20 minutos após você parar de fumar, os batimentos cardíacos melhoram, e há uma normalização da temperatura sanguínea (a ponta dos dedos das mãos e pés ficam quentes), além de um aumento de oxigênio no organismo, que é um dos principais benefícios. Em 24 horas, aquela respiração ofegante que um fumante apresenta, desaparece, e seu nível de oxigênio no organismo normaliza. A sensibilidade do olfato e paladar começam a voltar ao normal, fora a facilidade de respirar. Um fôlego extra começa a surgir, por volta do segundo e terceiro dia, tornando mais fácil a realização de atividades físicas, sem sentir cansaço. Seis meses depois o sentimento de estresses, até agora muito presente, diminui. Um ano depois o risco de doenças cardíacas é reduzido em 50%, é menor o risco de acidente vascular cerebral, e há uma melhora no sistema imunológico. Passados dez anos, é menor o risco de câncer (fumantes são mais propensos  a terem cânceres, do que os não fumantes). Também apresenta uma chance menor de qualquer tipo de riscos de saúde. Segundo dados

  Aposto que uma das primeiras associações feitas ao levedo de cerveja tenha sido a bebida. Estou certa? Apesar de muitos relacionarem a bebida alcóolica, nesse texto vamos falar sobre o suplemento vitamínico, quais são os benefícios de seu consumo, e sua relação com a diabetes. Antes de falarmos sobre os benefícios e como o levedo de cerveja pode ajudar contra a diabetes, é preciso entender o que ele é. LEVEDO DE CERVEJA, O QUE É? Nome derivado de um micro-organismo, o levedo de cerveja é um fungo unicelular que é identificado como similar ao Saccharomy Cerevisiae, ou seja, uma levedura. Entretando, ele se destaca pela porção considerável de vitaminas e minerais essenciais para a saúde. Reagindo com algumas bactérias, o levedo de cerveja torna-se rico em vitamina B12. Além do mais, contém ácido fólico, ácido pantotênico, piridoxina, niacina, riboflavina e tiamina, todos podendo auxiliar no funcionamento do sistema nervoso, e muito mais! Como é encontrado Ao ir no mercado, é possível encontrar o levedo de cerveja de diversas formas: fresco, desidratado, em pequenos quadrados, em potes e também em flocos. Alguns produtores o manipulam, disponibilizando em comprimidos, em pó, ou até mesmo combinado com outros nutrientes. Maneiras de consumir O levedo de cerveja pode ser usado de diversas formas na cozinha, como em receitas de pão, pizza, bolos, ou até mesmo ser substituído pelo fermento químico. Quando seu organismo estiver debilitado, você pode toma-lo como suplemento alimentar. Em alguns casos, o levedo de cerveja também é usado para tratamentos de beleza, no combate contra a acne, fragilidade das unhas e cabelos. QUAIS OS BENEFÍCIOS DO LEVEDO DE CERVEJA? Em sua forma fermentada, o levedo de cerveja ajuda na fabricação de bebidas e massas, mas sua ação na saúde é muito superior: Elimina toxina da pele e do fígado; Ajuda na restauração da flora intestinal; Estimula a ação do sistema imunológico; Ajuda no controle de peso; Auxilia na prevenção do câncer; Melhora o funcionamento do sistema digestivo; Controla o colesterol; Fortalece o sistema respiratório. Quantas qualidades, não é mesmo? Confira as propriedades nutricionais do levedo de cerveja: Energia…………………. 10cal Carboidratos…………. 1,1g Proteínas………………. 1,4g Gorduras……………….. 0,1g Fibras……………………. 0,9g Valores para uma colher de chá de levede de cerveja (3g) Muito interessante todas essas informações, mas qual é a relação do levedo de cerveja no controle da diabetes? Continue lendo para entender. COMO O LEVEDO DE CERVEJA PODE AJUDAR NO COMBATE A DIABETES? Sabe aquela vontade de comer doces que as vezes sentimos? Pois é só adicionar o levedo de cerveja na sua alimentação que ele

Você já deve ter ouvido falar que a doença do século é a depressão. A ocorrência disso é que a modernidade trouxe consigo uma pressão maior quanto a ser o melhor em todos os sentidos, prejudicando a saúde emocional de muitos. A pressão da sociedade versus a saúde emocional Não faz sentido? Pois, tenta visualizar esse exemplo: se na época dos seus avós, estudar somente o Ensino Fundamental já era o suficiente. Em contrapartida hoje, quem possui Mestrado nem sempre é qualificado para se tornar um professor universitário. Contudo, percebe que embora você esteja dando o seu melhor em algo, acaba descobrindo que o seu melhor nem sempre é o suficiente. Como lidar com essa pressão, sem que prejudique sua saúde emocional? Vamos descobrir a seguir Os remédios do CEVISA O CEVISA possui alguns princípios básicos e simples que podem ajudar qualquer um a ter um equilíbrio emocional. Uma vez que você coloque estes princípios em prática, as mudanças no seu estado emocional, logo apareceram. Quer saber quais são? Continue a leitura. Os 10 remédios para ter uma boa saúde emocional Beba água – O corpo é composto em média de 70% de água. E a água é necessária em todas as nossas funções biológicas; Tenha uma alimentação saudável – Procure utilizar alimentos mais ricos em nutrientes, e evite aqueles que são prejudiciais à saúde. Pois nosso corpo é construído pelo alimento que ingerimos, e devemos escolher aqueles que melhor atendem as necessidades dele; Pratique exercícios físicos – A prática de exercícios físicos diminui o stress, além de ter outros benefícios para o nosso organismo; Mantenha relacionamentos saudáveis – Um conversa, um toque, ou somente a presença do outro pode ajudar a melhorar seu dia; Vida espiritual – Confiar em Deus ajuda a desenvolver algumas características importantes para uma saúde emocional equilibrada; Ar puro – É preciso desfrutar do ar puro, da natureza. Pois a qualidade do ar que respiramos afeta a nossa saúde diretamente; Luz solar – A luz solar é fundamental no combate a doenças do corpo e principalmente no combate a problemas de origem emocional, como a depressão; Descanso – Ter a quantidade necessária de horas para dormir é relevante para as funções cognitivas, emoções e no comportamento do dia a dia; Equilíbrio das atividades – Buscar o equilíbrio das atividades do dia a dia é importante para que se tenha uma vida pela, longa e feliz; Amor – Pratique o amor e a compaixão em todos as suas relação pessoais. Se você gostou

É de conhecimento da grande maioria que a depressão é uma doença muito complicada. A pessoa não sente vontade nenhuma de realizar qualquer atividade, a energia cai e a vontade de viver, no geral, fica bem abaixo do normal. Mas, e como fazer para conseguir sair da depressão? Nesse artigo você vai conhecer algumas atividades que prometem te ajudar a ter mais energia. Separamos um passo a passo com 10 sugestões de práticas diárias para você colocar na sua rotina. Os Exercícios versus equilíbrio hormonal Você sabia que fazer exercícios ajuda tanto no equilíbrio hormonal, como também melhora a saúde e disposição? Por isso, fazer atividades físicas é considerado um ótimo remédio para a depressão. Portanto, o que se entende é que exercitando o corpo você quebra aquele ciclo de indisposição e desânimo em tudo. Consequentemente, aumenta a vontade de realizar novas coisas e também de manter o convívio social.   Mas, quais são as atividades recomendadas? Separamos uma lista com alguns passos de como sair desse estado deprimido, praticar um exercício, mesmo sentindo aquele desânimo causado pela depressão. Vamos conferir? Passo a passo das atividades Opte por treinos curtos e de alta intensidade. Como? Comece com treinos de 4 minutos a no máximo 7 minutos. O canal Freelects no YouTube tem várias dicas de exercícios curtos que você pode fazer em qualquer lugar. Faça uma carta para você, lembrando o quão bem se sentirá depois do treino. Com certeza irá sentir os resultados no espelho, o suficiente para melhorar a sua autoestima. Comece o dia fazendo um alongamento na cama. Tem receio das pessoas ficarem te julgando na academia, se exercite em casa mesmo. Não crie agendas de exercício com expectativas altas. Faça cada dia um exercício, e se parabenize por conseguir. Depois dos exercícios, faça uma rotina de banho especial. Cante no chuveiro, use um sabonete mais cheiroso, se presenteie por seu esforço. Quando se sentir confiante, matricule-se em aulas de exercício lúdico. Mas, o que são exercícios lúdicos? É todo e qualquer movimento que tem como objetivo produzir prazer na sua execução, ou seja, divertir quem está praticando. Por exemplo: hidroginástica, zumba, natação, entre outras. Compre roupas de exercício com cores alegres. Roupa nova, é um incentivo. Alguns exercícios parecem difíceis e você se sentirá bem por ter conseguido fazer. Outros você vai conseguir com o tempo, não tem problema. Enquanto você se exercita, você progride. Por isso, experimente. Qualquer exercício, por mais simples e menor, é

Se você tem alergias, asma ou outros problemas respiratórios, entende que é importante ter uma maior compreensão sobre as causas e os tratamentos mais eficazes. Nesse artigo, você vai encontrar alguns problemas respiratórios mais comuns, as suas causas, como identifica-los, e um mini guia de tratamentos. Com a chegada do frio, é muito comum ter uma certa dificuldade ao respirar. Aliás, algumas doenças, como: gripe ou resfriado sempre aparecem com essas mudanças na temperatura Problemas respiratórios crônicos Grande parte dos problemas respiratórios são crônicos ou de longo prazo. Para estes problemas podemos listar os mais comuns, como: sinusite crônica, alergias e asma. Os sintomas podem facilmente serem detectados, como congestão nasal, coriza, coceira nos olhos, congestão no peito, tosse, chiado no peito, respiração difícil e respiração superficial. Algumas pessoas possuem um pouco de dificuldade em respirar quando ficam resfriadas. Outras têm dificuldade para respirar por causa de eventuais crises de rinite/ sinusite, o que pode agravar muito em períodos mais frios. Causas de problemas respiratórios A via nasal é um dos principais caminhos percorridos pelos vírus e alérgenos para chegar até os pulmões, gerando uma série de problemas respiratórios causados, por exemplo, por uma inflamação na mucosa nasal, o que pode contribuir para ataques de asma. Como determinar a causa de problemas respiratórios? É o que vamos ver a seguir: Existem vários testes de alergia que o profissional médico pode usar para descobrir se você é alérgico, o que pode ajudar a identificar se você possui algum problema respiratório e a causa do mesmo. Quer saber quais são? Continue a leitura. Teste para determinar qual ou quais são os problemas respiratórios Os médicos realizam exames físico para poder diagnosticar um problema respiratório, além de analisar o histórico familiar do paciente. Somado isso, irá realizar testes específicos como a espirometria, metacolina e testes de função pulmonar, frequentemente utilizado para avaliar situação de pessoas com asma. Testes cutâneo O médico utiliza de uma seringa para a injeção de extrato de alérgeno diretamente sob a pele. A espirometria Esse teste mede a quantidade e velocidade do ar que o seu pulmão consegue jogar para fora. Este teste de respiração tem como principal objetivo determinar a quantidade de obstrução das vias respiratórias. Teste de estímulo com metacolina Ajuda a estabelecer um diagnóstico de asma Outros testes, não muito comuns, podem ser usados, como por exemplo, submeter o paciente a contrair um alérgeno por vias respiratórias. Em alguns casos, o médico pode tirar um raio-X para ver

  Sabemos que, com a queda das temperaturas no outono e o inverno é muito comum o aumento do número de pessoas com todo tipo de doenças respiratórias: bronquite, sinusite, resfriado, rinite, amigdalite, gripe, pneumonia e até tuberculose. Além das mudanças bruscas na temperatura, os níveis de poluição do ar e a propagação de bactérias e vírus em ambientes fechados são outros fatores que aumentam a incidência de doenças respiratórias. Sobre os problemas respiratórios Falamos aqui no blog sobre os problemas respiratórios e como identificar suas principais causas. Hoje, vamos dar algumas dicas para você combate-los. Nesse texto você vai conhecer seis novas dicas, que vão ajudar a combater alguns problemas respiratórios. Quem nos orienta é a Dra Paula Santana, médica otorrinolaringologista no Ambulatório do CEVISA. Dicas de como combater problemas respiratórios     Existem diversas formas de combater e prevenir problemas respiratórios. Alguns mais comuns e mais simples de serem tratados, e outros mais raros e complexos. Para esses últimos, a orientação é procurar a ajuda de um profissional de saúde, pois somente ele poderá diagnosticar ou prescrever um tratamento. Para os mais comuns, vamos as dicas. Beber muita água Manter o corpo hidratado é sem dúvida a melhor maneira de combater os problemas respiratórios. Não estamos falando somente da água em si, mas também outras formas de hidratação são válidas como, a ingestão de sucos de frutas naturais, água de coco, frutas e verduras também contribuem para manter o organismo saudável. Manter os ambientes limpos Passar um pano úmido nos móveis em dias alternados é essencial para combater aos ácaros, fungos e evitar o acúmulo de poeira responsável por doenças respiratórias. Em dias secos, esses cuidados são ainda mais requisitados para a saúde. Procure manter os locais mais úmidos Crianças e idosos são os que mais sentem quando o ar está seco, antes de dormir uma dica simples e válida é deixar um balde com água no quarto, toalha molhada ou mesmo um umidificador de ar. Alimentação saudável Procure consumir alimentos frescos, como frutas, verduras, legumes. Cuidados com a pele Dermatites e alergias na pele são também sintomas comuns decorrentes da má qualidade do ar. Para evitar implicações com a pele evite banhos quentes e passe diariamente cremes hidratantes. Ao sentir os olhos e narinas secas pode ser aplicado algumas gotas de soro fisiológico para hidratação dessas regiões. Lavagem nasal com soro fisiológico 0,9% Uma ótima forma de acabar com a dificuldade de respirar e de desentupir o nariz consiste em, fazer uma lavagem nasal com soro fisiológico 0,9%

Vamos falar sobre depressão? Essa doença já não é mais segredo e dia a dia a ciência vai descobrindo novas maneiras de tratá-la. Já podemos tirar os tabus acerca dessa doença, porque ela é considerada um dos grandes males deste século, podendo afetar absolutamente qualquer pessoa, independente de gênero, idade, crença ou classe social. Nesse artigo você vai encontrar: O que é depressão Quais os sintomas mais comuns Diferenças sobre depressão e tristeza 7 dicas de como sair da depressão O que é depressão A depressão é uma doença psiquiátrica que gera tristeza profunda, perda de interesse, ausência de ânimo e oscilações de humor. Muitas vezes é confundida com ansiedade e pode levar a pensamentos suicidas. Assim, é essencial diagnosticar a doença e iniciar acompanhamento médico. A doença atinge mais de 300 milhões de pessoas de todas as idades no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, a estimativa é que 5,8% da população seja afetada pela doença. Quais os sintomas mais comuns Atente-se para os sintomas! Se existe uma tristeza sem motivo aparente e ela está durando mais que duas semanas, se você anda desanimado e percebe que já não está se alimentando e nem dormindo de uma forma correta ou também sente grandes dificuldades em realizar atividades simples do dia a dia, é aconselhável buscar a um profissional da saúde, relatar seu estado e pedir ajuda. Apenas esses profissionais podem diagnosticar essa doença e dizer em qual nível ela se encontra. Assim ficará muito mais fácil lidar com tudo isso, não é mesmo? Diferenças sobre depressão e tristeza Há uma grande diferença entre tristeza e depressão. A tristeza pode ocorrer desencadeada por algum fato do cotidiano, em que a pessoa realmente sofre com aquilo até assimilar o que está acontecendo e geralmente não dura mais do que quinze a vinte dias. Por sua vez, a depressão se instala e se não for tratada pode piorar e passar por três estágios: leve (CID 10 F33.0), moderada (CID 10 – F33.1) e grave (CID F33.2). Você também pode realizar algumas atividades que poderão ajudar a manter sua saúde mental sempre saudável, tornando-se mais forte para enfrentar a essa doença e/ou não deixar que ela se aproxime. Coisas simples podem fazer a diferença! Listamos algumas delas: 7 dicas de como sair da depressão Procure o hábito de fazer atividades físicas. Por mais difícil que pareça, tente manter uma rotina de exercícios. Não é necessário que sejam longos ou exaustivos, só precisa mexer o seu corpo.

  Antes de falar sobre como combater as infeções que podem surgir nas vias respiratórias, é preciso entender o que é uma infecção, e o que pode causá-la. A infecção respiratória geralmente é provocada por microrganismos (vírus, bactérias ou fungos) que provocam diferentes tipos de sintomas como coriza, espirros, tosse, febre ou dor de garganta. Ela surge em qualquer região do trato respiratório, atingindo desde as vias aéreas superiores (como narinas, garganta ou seios paranasais), até as vias aéreas inferiores (como brônquios e pulmões). Partindo dessa primícia, que tal aprender um pouco sobre como realmente podemos combater essas infecções? Vamos lá! Nesse artigo você vai encontrar: Período do ano mais propenso para surgir infecções As infecções respiratórias mais comuns Como diagnosticá-las? Quais os tratamentos? Combatendo as infecções Período do ano mais propenso para surgir infecções Durante os períodos mais frios do ano, é muito comum o surgimento desse tipo de infecção, já que existe uma tendência das pessoas de procurarem ambientes fechados para se protegerem do frio. Por isso, no inverno o cuidado deve ser dobrado, procurar sempre lugares mais arejados, com bastante ventilação. As infecções respiratórias mais comuns As infecções das vias aéreas superiores são as mais comuns e costumam ser muito contagiosas, sendo facilmente propagadas em locais com aglomerações de pessoas, como escolas, creches ou no ônibus, por exemplo. Já as infecções de vias aéreas inferiores costumam ser mais graves e atingem pessoas com maior risco, como os bebês, as crianças, os idosos e em pessoas com a imunidade comprometida. Como diagnosticá-las? Para diagnosticar a infecção respiratória, geralmente é necessária a avaliação do médico, que irá identificar os sintomas e fazer o exame físico. Em casos de suspeita de infecções mais graves, como pneumonia ou tuberculose, ou quando há dúvidas da causa, pode ser necessário a realização de exames, como raio-X de tórax, hemograma ou teste do escarro, para identificar o microrganismo que gerou a infecção e assim decidir pelo tratamento mais indicado. Quais os tratamentos? O tratamento da infecção respiratória depende da sua causa e da gravidade da infecção. Assim, geralmente, é indicado repouso, uso de analgésicos e antitérmicos. Além disso, pessoas internadas no hospital podem necessitar de fisioterapia respiratória para fazer a retirada das secreções pulmonares e assim aliviar o desconforto que a doença provoca. Combatendo as infecções Para evitar as infecções respiratórias, é recomendado evitar locais aglomerados, o contato com pessoas infectadas, sempre lavar as mãos e evitar colocar objetos no nariz ou boca, pois são as principais formas de

As comunicações diretas ou indiretas entre as cavidades nasais podem explicar infecções como rinite, sinusite, faringite, otite e conjuntivite. Porem, existem infecções que podem surgir na entrada do nariz que são chamadas de vestibulites nasais. Mas, o que são essas infecções? E, como podemos tratá-las? Nesse artigo você vai entender um pouco sobre: Infecção bacteriana Os principais sintomas Cuidados que se deve ter Procurando ajuda profissional Infecção bacteriana A infecção bacteriana vem principalmente da bactéria Staphylococcus aureus. Pode ser consequente à manipulação nasal ou ao ato repetido de assoar o nariz, gerando crostas incomodas, que causam sangramento quando destacadas.   Principais sintomas Os principais sintomas desse tipo de infecção é como coriza, espirros, febre ou dor na região nasal, por exemplo. Manipular ou assoar o nariz excessivamente pode criar uma formação de crostas que incomodam e muitas vezes sangram, além disso, podem surgir espinhas na base dos pelos nasais (foliculite). As infecções mais graves podem provocar furúnculos no vestíbulo nasal. Os furúnculos nasais podem desenvolver uma infecção disseminada sob a pele (celulite) na ponta do nariz. Cuidados que se deve ter E aqui está um alerta! As infecções nessa parte da face precisam ser examinadas por um profissional com certa urgência, pois as veias vão dessa área até muito próximo do cérebro. Consequentemente, pode ocorrer uma situação com risco letal, denominada trombose do seio cavernoso, caso as bactérias se propaguem para esta região. Em muitos casos, o médico pode necessitar drenar cirurgicamente os furúnculos grandes ou aqueles que não respondem ao tratamento com antibiótico. Procurando ajuda profissional Em todos os casos, procure sempre um Otorrinolaringologista para que ele faça uma avaliação e possa dar um diagnóstico preciso. É de extrema importância não se auto medicar, pois os resultados dessa ação podem não ser tão positivos quanto esperado. Até a próxima!

Afinal, o que é poluição sonora? Poluição sonora é a terceira maior poluição,  depois da água e do ar, é um conjunto de ruídos que ocorrem simultaneamente no ambiente e são avaliados mediante a frequência e a intensidade sonora. E como podemos entender e diferenciar quando um som estiver sendo prejudicial para a nossa audição? É o que vamos ver nesse artigo. Além disso, também vamos falar sobre: O que é ruído? Como os ruídos são percebidos? Quais os impactos clínicos causados por sons muito altos? Quais são os níveis de ruídos aceitáveis para a nossa audição? O que é um ruído? O ruído é então definido como qualquer estímulo sonoro desagradável ou irritante para quem o está presenciando. Entretanto, para uma definição mais elaborada, poderíamos dizer que, o ruído seria o som que atrapalha a comunicação principal, podendo ser contínuo, intermitente ou de impacto, seja pelo volume exacerbado, seja pela qualidade do som emitido. Para a finalidade do diagnóstico e avaliação da progressão de perda auditiva instaurada, como eles são percebidos? Continue com a leitura, pois, vamos compreender melhor a seguir: Como os ruídos são percebidos? Os ruídos são percebidos em diferentes momentos do dia, como em uma sala de aula, situações de tráfego de veículos automotores, ambientes com muita música (como danceterias ou shows), eventos, aglomeração de pessoas, etc. E quais são os impactos clínicos desse problema? Além dos sintomas auditivos decorrentes da exposição excessiva ao ruído  ele traz  vários impactos não auditivos como: Conforme o aumento no nível de ruído, os indivíduos podem apresentar dificuldades para conciliar o sono; Problemas com hipertensão, insônia, estresse, falta de atenção, alterações gástricas, impotência sexual entre outros; Problemas para entender a fala escutar e manter diálogos com outras pessoas; Zumbidos; Incômodos progressivos; Entre outras características, que são sintomas da perda auditiva causada pela exposição ao ruído a longo prazo. Além disso, indivíduo também pode apresentar surdez, o que o levará a necessidade de utilizar aparelhos auditivos ou de reabilitação auditiva para recuperar, ou amenizar o dano causado pela exposição a  nível tóxico e constante da poluição sonora. Quais os impactos clínicos causados por sons muito altos? A poluição sonora promove o aumento de hormônios no sangue, como a adrenalina, que causa constrição dos vasos sanguíneos e, consequentemente, aumento da pressão arterial a curto prazo. Nesse caso, os indivíduos com diagnóstico de hipertensão serão mais afetados. Além disso, esse estímulo causa distúrbios de sono, principalmente quando associada a luzes intermitentes ou barulhos altos,